A Escravidão das Dívidas

Mônica Almeida • março 24, 2015 • Nenhum Comentário

Nos últimos anos a linha de crédito aumentou significativamente, o que é bom, porém a quantidade de endividados também cresceu. A facilidade para conseguir financiamentos e empréstimos transformaram os hábitos de consumo. Com isso é natural que as dividas cresçam,   principalmente entre aqueles que têm maiores propensões aos gastos.

Problema financeiro nunca está sozinho. Junto há sempre a dificuldade de controlar as emoções. A dívida é um inimigo fatal do hábito da economia.  A acumulação de dívidas é um hábito.  Começa pequena e vai assumindo proporções enormes até dominar inteiramente o indivíduo.  A pessoa com dívidas não consegue formar seus ideais na vida, atrapalha seu crescimento espiritual, condena a pessoa a viver no medo, na dúvida e na vergonha.

Todo sacrifício feito para evitar ou sair das dívidas, vale muito a pena.

Sinais de que você é um endividado em potencial

  • Preocupação excessiva em se manter atualizado com as novidades do mercado.
  • Usar as compras como válvula de escape em momentos de estresse.
  • A maior parte das coisas que costuma comprar nunca é usada.
  • Sente culpa após a compra.
  • Prefere sair sozinho para comprar para não ser criticado.
  • Costuma esconder os produtos adquiridos.
  • Omite o preço dos produtos adquiridos para não ser criticado.
  • Não consegue guardar parte do que ganha para eventuais emergências.
  • Tem sempre a sensação de que está faltando algo.
  • Já teve problemas familiares por causa de compras.

Se você se enquadra no diagnóstico acima,  saiba que existe solução para você.  Guardando 10% de sua renda para investimentos.  Você pode optar  por títulos do tesouro direto, cujos rendimentos são bem melhores do que a caderneta de poupança, mas isso eu vou abordar em outro post.

Para quem já se encontra endividado é importante tentar cortar o cheque especial e o cartão de crédito, mas se estiver em uma emergência certifique-se que o gasto não vai comprometer mais que 30% da sua renda.

Seja mais consciente.

Antes de comprar faça uma bateria de perguntas a si mesmo, se o motivo da compra se sustentar então compre sem peso na consciência.

  • Eu preciso disso?
  • Eu poderia deixar para comprar isso em outro momento?
  • É possível substituir isso por outra coisa que eu já tenho?
  • Quantas vezes eu vou usar isso?

Após se sabatinar com essas perguntas é bem possível que 98% dos produtos que você pretenderia levar para casa fique na prateleira, mas existem outras armadilhas que podem fazer com que você compre algo desnecessário.

Consumo Passivo.

 Ao ser abordado por um vendedor, por exemplo, em uma loja não se sinta coagido a levar nenhuma mercadoria apenas pela vergonha de ter passado um bom tempo “só olhando”;  não se deixe levar pelas emoções.

Seja um cliente chato, não tenha vergonha de pesquisar antes da compra, se possível saia de casa já com uma pesquisa previa feita na internet.

Leve em consideração a loja que oferece desconto à vista. Vale a pena.

Que você seja muito abençoado!

Compartilhar
CATEGORIA Dívidas
Você pode gostar de:

Nenhum Comentário