Tesouro Direto

Mônica Almeida • agosto 23, 2015 • 1 Comentário

Quero falar com você sobre o  Tesouro Direto.  Você conhece?

O Tesouro Direto permite que o investidor pessoa física adquira títulos públicos.

Ele é um título de renda fixa, simples e fácil de aplicar, rende mais que a poupança e é o único título que o governo garante. 
Se você aplicar nos títulos públicos seu dinheiro estará muito mais bem protegido.

Já ouvi várias pessoas dizendo que investem na Caderneta de Poupança porque tem garantia.

Tem garantia sim, como a sua conta corrente, o CDB, a LCI, a LCA  e outros.

A garantia é por conta do FGC – Fundo Garantidor de Crédito, que garante até R$ 250.000,00 por CPF e  por instituição financeira.  Veja bem, muitas pessoas investem em grandes bancos por medo do banco  pequeno quebrar.    Mas o FGC garante tanto o grande quanto o pequeno banco.

O FGC garante os títulos públicos?  NÃO.

Os títulos públicos são os únicos que são garantidos pelo Governo.  Portanto, são mais seguros, porque se o Governo quebrar, muitos bancos já quebraram antes.

São 100% garantidos pelo Governo e não existe o limite de R$ 250.000,00.

 Como aplicar no Tesouro Direto?

Apesar de parecer confuso, devido a verdadeira sopa de letrinhas, é muito simples você fazer suas aplicações neste título.  Veja o passo a passo:

  • Ter CPF e conta corrente em uma instituição financeira.
  • Escolher uma instituição financeira, que pode ser um banco ou uma corretora, também chamada de agente de custódia, para intermediar suas transações com o Tesouro Direto.
  • Entre em contato com a instituição financeira escolhida e solicite seu cadastramento. Você deverá fornecer a documentação necessária para que essa instituição abra uma conta em seu nome para operar com o Tesouro Direto.
  • A partir disso, você receberá uma senha provisória da BM&FBovespa para o primeiro acesso à área restrita do Tesouro Direto, em que são realizadas as operações de compra e venda, assim como consultas a saldos e extratos.
  • Troque a senha provisória por uma nova que deverá conter entre 8 e 16 dígitos, composta por letras, números e caracteres especiais. Pronto! Você já será investidor habilitado e poderá começar a investir.

Agora, você precisa descobrir qual título é mais adequado para alcançar o seu objetivo financeiro. Para ajudá-lo nessa escolha, utilize a ferramenta Orientador Financeiro oferecida tanto no site do Tesouro Direto quanto na área restrita ao investidor. Definido o título adequado, basta efetuar a sua compra.

 Tipos de Título

Tesouro IPCA (antiga NTN-B – Notas do Tesouro Nacional) – remunera o investidor com uma taxa de juro pré-fixada, mais variação da inflação medida pelo IPCA.

Tesouro pré fixado juros semestrais (antiga NTN-F – Notas do Tesouro Naciconal) – Títulos pré-fixados, rentabilidade conhecida no momento da aplicação.

Tesouro Pré fixado (antiga LTN – Letras do Tesouro Nacional) – Títulos pré-fixados, rentabilidade conhecida no momento da aplicação.

Tesouro SELIC (antiga LFT – Letras Financeiras do Tesouro) – Títulos pós-fixados e segue a  remuneração da taxa SELIC.

Poupança X Tesouro Direto

A rentabilidade é praticamente o dobro da poupança, mesmo esta sendo isenta do imposto de renda.

A caderneta de poupança rende aproximadamente 6% ao ano, enquanto o Tesouro Direto rende 11% ao ano.

Concluimos que o Tesouro Direto é mais seguro e rende mais do que a Caderneta de Poupança.

O que você está esperando para investir no Tesouro Direto?

Se você gostou desse texto ou ficou com alguma dúvida, deixe abaixo o seu comentário.  Ele foi útil para você?

Compartilhar
CATEGORIA Investimentos
Você pode gostar de:

1 Comentário